Quem vai cuidar de mim quando eu envelhecer?

Antigamente, falar a palavra “asilo” dava arrepios em qualquer pessoa mais velha. Existia uma associação imediata com abandono e um lugar feio, cheio de enfermeiros e pessoas dementes, ou seriamente doentes. Era como se a família se livrasse dos velhinhos numa espécie de ante-sala da morte.

Na modernidade, fala-se de coabitação senior, ou residenciais especiais para a terceira idade. São lugares bonitos, com muita ativação social e cultural, por vezes unidades de moradia independentes e apenas os locais de interação são compartilhados. Também apareceu o modelo inter-geracional, que mistura velhos e jovens num saudável intercâmbio. (já falamos de ambos aqui em um artigo em 2019)

Vivo uma realidade interessante: não tive filhos. E como eu, diversas amigas também não tiveram, o que nos leva a conversar frequentemente sobre como será nosso futuro quando o corpitcho ou a cabecinha já não estiverem tão afiados. Deus nos livre de ficarmos seriamente doentes e incapacitados, mas pode acontecer… Quem vai cuidar de nós? Claro que ter filhos não é garantia de nada, pois cada um segue sua vida e o mundo está cheio de histórias de ingratidão. Minha mãe e minha tia cuidaram durante anos de uma tia-avó, que era uma viúva sem profissão, renda e filhos.

Meu pai e seu delicado equilíbro entre a dependência e a autonomia

Atualmente vejo meu pai com uma doença degenerativa progressiva, demandando ajuda para praticamente tudo. Como eu e meu irmão moramos em outra cidade, ele é cuidado pela esposa e um grupo de empregadas/acompanhantes, e vive numa queda-de-braço permanente com elas, entre a dependência física e a vontade de tomar suas próprias decisões, algo tão simples quanto escolher o que e quando vai comer, ou o quanto pode gastar nas suas idas à rua (um perigo, pois ele tornou-se perdulário e compra quantidades excessivas de qualquer coisa que vê pela frente).

Agora a Finlândia está usando uma abordagem diferente. A cultura local valoriza muito a autossuficiência – eles brincam que um pesadelo para o finlandês é ter que dizer “bom dia” para o vizinho – e isso vale também para os mais velhos. Porém, como não descambar para o isolamento, que é péssimo para o desenvolvimento cognitivo e emocional do senior, além de perigoso? Simples: tecnologia!

A área de gerontotecnologia é uma das que mais tende a crescer nos próximos anos. Assim, um combinado de tecnologias está a serviço de monitorar os maduros. Pulseiras com GPS e sensores nas portas para localizar as andanças e alertar sobre saídas de casa em momentos de confusão mental; assistentes virtuais domésticos que monitoram eventuais quedas ou a quantidade de idas ao banheiro (que podem indicar problemas urinários), ou que alertam para horários de tomar medicação; sensores nas geladeiras e armários que monitoram os estoques de alimentos usando tecnologia RFID (tags embutidos nas embalagens dos produtos); botões de alarme e discagem rápida para acionar assistentes sociais ou parentes; e uma série de atividades virtuais que vão de atividades em grupo realizadas online – como refeições e ginástica – a jogos e passatempos digitais.

Exemplo: a MariCare Oy, que espalha sensores pela casa, capazes de ligar luzes no piso, monitorar quedas, aberturas de portas e janelas. Veja o video:

MariCare, tecnologia de ponta para a segurança de idosos

Já a Benete se diz especialista em análise de dados para o bem-estar (Wellbeing Analytics as Service) com foco na população mais velha. Com sensores que monitoram o espaço físico, algoritmos e inteligência artificial, eles mapeiam o comportamento diário habitual do indivíduo e o sistema é capaz de detectar anomalias, mudanças estranhas de padrão que podem indicar doenças ou problemas cognitivos, como desordem mental ou hábitos pouco saudáveis (de alimentação, higiene ou descanso). Dessa forma, é possível alertar médicos e parentes para um tratamento adequado, preservando por outro lado a tão amada independência que muitos maduros preferem ter.

O certo é que ninguém sabe o que vai lhe acontecer no futuro, mas é bom descobrir que já existem tantas empresas e governos se preparando para lidar com o segmento dos maduros. Num outro post mais à frente, vamos mergulhar na gerontotecnologia, onde até o Google está investindo pesado. Aguardem!

1 comentário

  1. Boaaa !!! Patricia!! Para mim goi muitoooo util, pois estou com o meu esposo passando por essa etapa da vida em virtude tbem da troca de 3 válvulas. Ele tem 76 anos. Relativamente novo para os tempos de hoje. Mas com a cirurgia, acho que os problemas aceleraram! E daqui a pouco serei eu,?que ja tenho 63 anos.🙏🙏 com saúde para cuidar do meu esposo. Parabéns, pela postagem.abs

    Curtir

Deixe uma resposta para Edina Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s