Sonhar ou realizar sonhos?

Já faz algum tempo que tenho cultivado um sonho dourado:  criar minha própria floresta.

Uma grande preocupação é a degradação do meio ambiente e a redução da produção de alimentos de forma artesanal como a  produção familiar.

Cresci com meu pai plantando de tudo numa fazenda em Minas Gerais. Tínhamos vários tipos de frutas, verduras, legumes e sementes. Meu pai plantava e colhia quase tudo que comíamos. Hoje meus irmãos e sobrinhos que permanecem trabalhando na terra compram quase tudo no supermercado. Dizem que sai mais barato do que plantar.  E ao mesmo tempo as águas estão desaparecendo. Minha terra que chamava Rio do Peixe e depois mudou o nome para Piracema porque de suas águas  saía grandes peixes, hoje tem um rio assoreado e sujo.Nesta manhã assistindo  o Globo Rural, vi uma reportagem maravilhosa sobre como os agricultores, ambientalistas e indígenas se unem para reflorestar fazendas, chorei de emoção e esperança

Ao mesmo tempo, senti uma dor no coração: o que estou fazendo para realizar meu sonho?

Tenho exemplos lindos perto de mim, um deles é Ana Claudia Nery. Ela começou cedo sua trajetória profissional. Fez duas graduações  e 2 pós graduações até 40 anos. Começou como professora e desenvolveu sua carreira como  executiva na  hotelaria de luxo onde  passou a maior parte da  vida profissional. Foram 30 anos, entre Rio e São Paulo, e algumas centenas de viagens internacionais a trabalho, conheceu  mais de 50 cidades pelo mundo.  Fez diversos cursos de especialização na área, inclusive Gastronomia na Faculdade de Lausenne na Suíça e gestão hoteleira na Cornell University. Casou com 40 anos

Em 2014 decidiu começar a se preparar para uma mudança radical para ter mais tempo para família, cuidar de si mesma e realizar um sonho.  Se  matriculou  na faculdade de Direito e como é danada, ainda   faltando 1 ano para concluir o curso de Direito, passou  na temida prova da OAB.       Emendou com uma pós-graduação em Direito Público, uma nova  pós em Gestão Fiscal, com disciplinas que nunca tinha visto, como Matemática Financeira, Contabilidade e Estatística. E foi aí que deu o grande salto: pediu demissão  e abriu mão da carreira de executiva de multinacional .

Agora na faixa de 50 anos,  estamos descobrindo uma nova Ana: ela que mal chegava perto do fogão agora está fazendo comidas requintadas e saborosíssimas enquanto se debruça sobre livros e novo curso de preparação para um Concurso Público na área Jurídica.

E eu e você? O que estamos dispostos a abrir mão para realizar um sonho? Acho que está na hora de eu me mexer e começar a plantar uma semente.

Em 2007 Ana foi conhecer Piracema.

Deixe seu comentário e siga nosso blog para entrar para  comunidade dos Cinza Poderosos.

Não deixe nem Cachorro bravo nem mata burro te parar.
Siga em frente!

2 comentários

  1. A história de vida da Ana realmente é como um tapa na conveniência e nos faz refletir a respeito do que estamos fazendo ou abrindo mão pela nossa felicidade .
    Tempo, idade e estabilidade não foram obstáculos para que ela experimentasse novos sabores de realizações.
    Inspiradora!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s