Sou velho, não criança!

Hoje pela manhã, vi uma cena que pode ser repetida milhões de vezes em qualquer cidade do Brasil. O filho tratando o pai no diminutivo. Parece carinhosos chamar de paizinho, certo? E é. Chamar de mãezinha, paizinho, vozinha, Sr. Luizinho,  é carinho.

Agora, usar todas as expressões no diminuitivo, como comer a comidinha, tomar banhinho se sol, sentar na cadeirinha, isto é violência emocional e vem do preconceito que já tratamos algumas vezes aqui : ageismo ou velhismo.

Passeio em Inhotim, críticas, divertidas e falantes.

Carinho é cuidar e assistir, é entender que mesmo com dificuldades a pessoa pode exercer sua vontade com autonomia e independência (quando possível). Auxiliar e não fazer por ele. Conversar diretamente com a pessoa e não com o cuidador ou quem o está acompanhando como se fosse um incapaz.

Não permitir que a pessoa idosa realize suas atividades, tome suas decisões, saia de casa , faça suas compras, que  seja chamada por qualquer adjetivo pejorativo que não seu nome, é violência emocional.

Este comportamento é repetido em muitas famílias, consultórios, hospitais e por  diversos profissionais de saúde. Muitas pessoas tratam os mais idosos, principalmente os mais frágeis, como  se fossem crianças grandes impossibilitando  que administrem  a própria vida e sejam independentes em suas atividades de rotina.

Ao tratar um idoso como uma criança incapaz estamos  indo contra o Estatuto do Idoso quando diz “é obrigação da sociedade, família e Instituição assegurar à pessoa idosa a liberdade, o respeito e a dignidade, como pessoa humana e sujeito de direitos civis, políticos, individuais e sociais, garantidos na constituição e nas leis”.

As famílias, empresas, profissionais de saúde, vendedores, precisam quebrar o estigma de que todo idoso é alguém dependente, sem autonomia e que não tem direitos e deveres.

Com o crescimento da população acima dos 60 anos , todos precisam entender que os idosos não estão “com a  boca escancarada esperando a morte chegar”,  mas que ainda tem muito que viver, aprender e compartilhar com novas gerações.

O chamado mercado da economia prateada, começa a compreender que a   inclusão da pessoa idosa promove sentido para sua própria existência; reconhece suas capacidades de trabalho, criatividade e potencialidades.

Sr. Luiz tem 78 anos e trabalha todos os dias. Assovia e canta enquanto faz carpintaria.

O idoso necessita sim ser alertado sobre seu atual estado de saúde e suas limitações. A família, empregados ou instituição de moradia e saúde, deverá ficar alerta e lidar de forma madura  sobre as situações adversas atuais e o possível agravamento das mesmas.

Se possível, promover atividades estimulantes e até profissionais de acordo com a etapa em que o idoso se encontra. Isto irá trabalhar a cognição, memória, auto estima, melhorando assim sua qualidade de vida.

Entre tantos os fenômenos que rodeiam o idoso, suas alterações relativas à idade, medo real da morte, as diversas perdas de amigos e familiares, podem afetá-lo  subjetivamente diminuindo sua capacidade ativa.

Esta falsa forma carinhosa de trata-los pode desenvolver atitudes de culpa, baixa autoestima, isolamento sociais e provocar mais facilmente depressão, perturbações do sono e assim reforçar a  dependência.

Por isto, acho que é necessário falarmos sobre esta violência velada, pois na maior parte das vezes, os cuidadores/familiares não percebem como a forma de trata-los, embora não o façam de propósito, acaba machucando a pessoa ao invés de passar seu afeto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s